Inicio / 1989 / Pregador Luo – Sobre o Cantor, Discografia e Novo Clipe

Pregador Luo – Sobre o Cantor, Discografia e Novo Clipe

Pregador Luo – Sobre o Cantor, Discografia e Novo Clipe
Gostou? Avalie

Pregador Luo lança o clipe da música “Faça o Bem”.

Sobre o Cantor

“Muita Treta”, “Último Dia”, “Árvore de Bons Frutos”, “Já Posso Suportar” e “Único Incomparável”, são títulos que soam familiar a todos que já escutaram Pregador Luo e/ou Apocalipse 16, mas Luo vai muito mais além do que estas cinco músicas, já bastante conhecidas.

Luo, que é de 1976, começou sua carreira quando ainda era bastante jovem, no ano de 1989, quando ainda tinha apenas treze anos. Desde então seu sucesso só tem crescido. Participou do Apocalipse 16, do qual foi um dos fundadores, sendo o único a ter participado de todos os discos. E, além de fazer parte de tal grupo, foi também proprietário da gravadora 7 Taças, que atualmente está tendo seu selo distribuído pela gravadora Aliança Produções.

Contemporaneamente à sua atuação no Apocalipse 16, Luo lançou seu primeiro álbum solo, o RevoLUOção, no ano de 2003. Tal disco é dividido em duas faces, a primeira, intitulada Arquitetura de RevoLUOção, possui 18 músicas e a segunda, Nova Ordem, possui 21 músicas, o que totaliza 39 faixas ao todo.

Pregador Luo também é autor de diversos temas de entrada de lutadores de MMA em campeonatos nos Estados Unidos, Europa e Japão, entre eles: Anderson Silva, Vitor Belfort, Wanderlei Silva, Maurício Shogun, Lyoto Machida, Rogério Minotouro, Thiago Silva, Pedro Rizzo, Jorge Patino Macaco, Gesias Cavalcante “JZ Calvan”, Rafael Feijão e Cosmo Alexandre.

Mas nem sempre foi tão fácil para Luo. Para chegar aonde chegou precisou trabalhar muito e acreditar em seus sonhos. Ele mesmo conta que precisou começar trabalhar cedo, quando tinha apenas 12 anos, foi ajudante de farmácia, servente de pedreiro de dois de seus tios, garçom, office-boy, escriturário, assistente administrativo e ajudante geral em uma fábrica de panelas e em uma fábrica de luminosos. Seu pai, que era um mecânico-eletricista foi o primeiro DJ que viu na vida, conta “Meu pai tinha um toca discos gradiente e um toca fitas que ele ligava juntos. Quando a música do vinil estava acabando ele soltava uma no toca fitas e vice-versa, ficava com um fone de ouvidos enorme nas orelhas animando festas e bingos que ocorriam em família. Foi assim que conheci a música popular, a sertaneja, a nordestina, e a que mais me chamou a atenção: a música negra. Ouvi bastante black music quando pequeno, mas a que mais me chamou a atenção foi a de Afrika Bambaata. Foi assim que comecei a me envolver com esse universo. Veja você que ironia, anos depois um de meus discos foi escolhido pelo próprio Afrika Bambaata numa seleção que ele fez em seu site na Internet, como um dos melhores discos de rap mundo”.

Inclusive, foi o próprio Luo, nascido Luciano de Souza, que se “rebatizou” com tal nome e, se você não sabe, Luo é o nome da segunda maior tribo do Quênia.

Discografia

    • 2003RevoLUOção
    • 2008Música de Guerra – 1ª Missão
    • 2012Único Incomparável Vol. 1
    • 2012Único Incomparável Vol. 2
    • 2015Governe!
    • 2017: Retransmissão

Música “Faça o Bem” Ganha Clipe

Há menos de uma semana, Luo lançou em seu canal no YouTube o clipe de sua música “Faça o Bem”, que é uma das faixas do seu quinto álbum solo(Governe!) lançado no ano de 2015.  Com um conteúdo de conscientização, Luo convoca as pessoas a fazer o bem porque “o mundo vai mal”. Aborda temas polêmicos, como: racismo, desigualdade social, terrorismo, corrupção, violência, etc.

Conta também com a participação do Insanos Moto Clube e do grupo Casa Amarela.

“Trouxemos o pessoal do Insanos MC, do qual eu faço parte. Eles desempenham um trabalho de assistência social, que compreende desde a distribuição de cestas básicas, agasalhos, doação de sangue, visitas em hospitais e comunidades carentes, entre outras atividades humanitárias” relatou Luo.

 O grupo Casa Amarela, no entanto, possui uma história curiosa. Em 2014, um grupo de artistas da Cooperativa Paulista de Teatro, com a ideia de criar uma ateliê compartilhado, ocuparam uma propriedade que, até então, pertencia ao INSS. Tal propriedade é uma mansão de três andares e 40 cômodos, que está localizada na Rua da Consolação, sentido centro de São Paulo, e é avaliada em, nada mais nada menos, do que 12 milhões de reais.

Atualmente é um ponto de encontro e moradia dos integrantes do movimento TM13 (Todo Mundo Treze) e um local aberto à expressão de arte independente e diversos eventos são promovidos pelos próprios ocupantes da Casa.

“Fazemos uma autogestão onde cada um ajuda no que sabe. Nossos equipamentos, por exemplo, são adquiridos coletivamente e podem ser utilizados por todos” diz Wanessa Sabbath, produtora e integrante do Laboratório Compartilhado Todo Mundo 13 (TM13).

 

O álbum “Governe!” está disponível em formato físico e nas plataformas digitais.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *